Obras


Livro de Artista

O Livro de Leonardo

Obra em processo
Livro de artista.  O Livro consiste em estudos, notas e desenhos, que venho desenvolvendo desde 1998, sobre páginas do livro "Leonardo", de Santiago Americano Freire, Edição do autor, Belo Horizonte-MG, 1965.
Volume único, técnica mista sobre papel, 194 páginas, 33x47x3,5cm. (Fechado)

Lugares de Escuta

Livro de artista com páginas soltas em caixa de mdf.
O Trabalho consiste em desenhos-registros de uma ação de escuta durante os meses de julho e agosto de 2016 em vários lugares de Vitória-ES. Trata-se de desenhar o ato de escuta de olhos fechados, durante cerca de 20 minutos, como forma de mapear o tempo/escuta, desde o momento em que o crítico de arte Agnaldo Farias me convidou para participar da exposição “A Vastidão dos Mapas” até o dia em que os desenhos seriam condicionados para a referida exposição. Os lugares de escuta desenhados são espaços do meu cotidiano em Vitória-ES, a saber, casa, parque, escola, cafés, universidade. Alguns dos exercícios foram feitos juntamente com meus alunos e meu filho Fernando.
Grafite sobre papel montval 24x32cm (cada), total de 60 desenhos em caixa de MDF serem expostos conforme o espaço. 2016

O Oráculo

Livro de artista. Nankim sobre páginas do romance “O Amante”, de Marguerite Duras. Trata-se de uma leitura do romance redesenhando cada página com processo de seleção e cobertura do texto, deixando para ser visto e lido apenas uma palavra ou frase por página. O Livro deve ser visto como um oráculo: Antes de abri-lo faça a si mesmo uma pergunta, em seguida, abra o "O Oráculo" em uma página qualquer, ao acaso. O texto encontrado é sua resposta.
Volume único com caixa de madeira e vidro, assinado e carimbado com marca "FA" em relevo. Dimensões: 21x12,5x5cm. (fechado), 118 páginas, 2004

Marcas de Guerra

Livro de Pintura e desenho sobre tela, realizado no período de 2007 a 2017
Volume único, encadernado em capa dura, assinado e carimbado com marca FA em relevo.
Técnica mista sobre tela, encadernado com capa dura. Dimensões: 70x45cm, 20 páginas, 2007/2017

Creative Learning and Teaching

Livro de artista. Nankim sobre páginas do livro didático de Inglês “Creative Learning and Teahching”. Trata-se de desenhos de cobertura de todas as páginas do livro deixando apenas uma palavra ou frase por página.
Volume único, com caixa de madeira e vidro, assinado e carimbado com marca "FA" em relevo. Dimensões: 22x15x5cm. (fechado), 340 páginas, 2004.

Aparelhos - Cama, mesa e banho

Livro de desenho pintura feito durante minha estadia em Paris.
A concepção da série “Aparelhos” tem como base o cruzamento: a precisão da arte construtiva/concreta e os impulsos emocionais da arte informal.
Acrílica e carvão sobre tela em caixa de mdf e vidro, 16 páginas. Dimensões 40x50x3cm. Volume único, assinado e datado. Paris, 2001

Confissões

Certo dia, visitando uma penitenciária para um trabalho com os presos, descobri as motivações e os crimes de alguns dos detentos e comecei a pensar que muitos de nós que estamos soltos, se fosse olhar de perto poderíamos estar presos. A partir daí começam estas "confissões" que vem desde 2006 até hoje, mais de 800 desenhos e desenhos-livros.
Técnica: (livro) Colagem de fotografia, desenho, texto, nankim sobre papel, 36 páginas, condicionado em caixa de madeira, 30x21x3cm, (desenhos avulsos) 31x21cm, 2006-2017

100 Linhas, um Desenho por Dia

Projeto de um desenho por dia como atitude de meditação durante cerca de 20 minutos cada sessão e cujo testemunho visual é o traçado de 100 linhas horizontais a nanquim sobre o plano. O projeto começou dia 1 de janeiro de 2015 e finalizou 31 de dezembro do mesmo ano consistindo em 365 desenho.
Técnica, nanquim e bico de pena sobre papel, 30x21cm (cada desenho, assinados e datados), 2015

A Biblioteca do Artista - Catálogos

Projeto de desenho sobre páginas de catálogos de exposições de arte e obras literárias. Trata-se de uma vasta coleção de catálogos e livros trabalhados desde os anos 90 até os dias atuais. O propósito é compartilhar desenhos, catálogos e livros.
Técnica mista sobre papel, dimensões variadas, 1995-2017

A CASA DO PASSADO - dentro fora através

Técnica mista sobre catálogo de exposição de arte.
Dimensões 30x42cm, 30 páginas, assinado e carimbado com iniciais do artista FA em relevo, Vitória-ES, 2012
Volume único

AMILCAR DE CASTRO

Da série A Biblioteca do artista, diálogo com a obra do artista Amílcar de castro.
Acrílica sobre catálogo de exposição do artista, 24x30cm, 54 páginas. 2008

Formas Brancas - Livro de Pintura

Livro sanfonado
Volume único, encadernado em capa dura, assinado e carimbado com marca FA em relevo.
Técnica mista sobre papel filtro, 16 páginas, dimensões: 50x50 cm, 2017

Livro Rosa

Formas brancas - Técnica mista sobre papel filtro, 16 páginas, dimensões 50x50 cm, 2017

Um Ano Desenhando

Projeto de desenho - um desenho por dia, durante todo ano de 2015. 
12 livros cadernos/livros sanfonados, um livro para cada mês do ano.
Grafite sobre papel filtro, 33x21x 3cm cada 2015

Uma Semana Desenhada

Narrativa gráfica que busca registrar, em desenho/texto, os acontecimentos cotidianos durante uma semana do mês de outubro de 2010 na vida do artista.
Volume único, encadernado em capa dura, assinado e carimbado com marca FA em relevo. Nankim sobre papel fabriano 24,5x32cm, 44 páginas, 2010



Pintura sobre pintura

Uma pintura pode ser trabalhada infinitamente. As diversas camadas de tinta aplicadas sobre uma tela são tentativas de construir uma configuração final, a qual chamamos pintura. Nesse processo muitas telas ficam inacabadas, esperando meses, anos atelier. O ato de revisitar telas abandonadas, de continuar a pintura em diferentes momentos e lugares, de desenvolver ou subverter as formas anteriores e fazer novas pinturas é o que chamo de pintura sobe pintura. Não é uma técnica, mas um procedimento de se trabalhar o intermitente, de conviver com o inacabado, com o que escapa do controle, reconhecendo que todo projeto tem uma disposição para o fracasso, mas que, da mesma maneira, tem uma convicção, de que alguma forma emergirá do caos.
Texto publicado no livro “Pintura sobre pintura” GSA, Vitória-ES, 2013


Trabalhos Colaborativos

Trabalho colaborativo com a artista americana Jill Moser (New York) desenvolvido a partir da residência artística no Vermont Studio Center em 2015. Projeto em processo, monotipia, acrílica e colagem sobre papel.


Série Nus

PECADOS CAPITAIS - Série que retrata os pecados capitais com erotismo e beleza.

Cartazes

Serie de fotografias de nus como cartazes de exposições do artista

Fotografias Montadas e de Corte

Série de imagens construídas com recortes de fotografias guardadas em gavetas desde os anos 90.

Quando não se pode ver

Série de fotografias que busca tratar do ato amoroso no ponto em que não se pode ver


Amazônia

Artista viajante é aquele que sai para ver, conhecer, desenhar, pintar, registrar o que viu, criar imagens de uma geografia distante, desconhecida, imaginada, falada e cuja produção, de cunho documental, comunica deslocamentos no espaço, descobertas de paisagens e tipos humanos.
Em 11 de janeiro 2012, embarquei em um navio hospital da Marinha Brasileira para uma viagem de 13 dias subindo o Rio Madeira, de Manaus a Porto Velho, acompanhando o trabalho de atendimento médico que a Marinha presta à população ribeirinha, com o objetivo de fotografar e desenhar os diversos cenários amazônicos. O propósito era conhecer estas paisagens e exercitar uma prática muito presente em nossa cultura.


Aparelhos - Pinturas e Desenhos


OS ULTIMOS DIAS DO MEU PAI

Em 2003, eu morava em Londrina-PR e, certo dia recebi uma mensagem deixada por uma senhora, vizinha dos meus pais, da cidade de Medeiros Neto, interior da Bahia: “Fernando, seu pai está muito mal, venha urgente...” Era uma mensagem de morte. Naquele mesmo instante comecei a me preparar para a viagem. Coloquei na mala as câmaras fotográficas que eu tinha (uma compacta digital Coolpix 950 e uma analógica Nikon F5), papel, bico de pena e tinta nanquim. Eu estava com 43 anos de idade e ía, assim me encontrar com meu pai em seus momentos finais.
Eu já fotografava e desenhava a casa dos meus pais desde o tempo de estudante, na UFMG, quando os visitava na Bahia. No curso dos anos meu pai adoeceu, instalou sua cama em um canto da sala e ali conversava com as pessoas. Agora que estava doente, eu deveria parar de fotografá-lo? A resposta seguiu o curso natural das coisas: eu o fotografaria, o desenharia, na morte, pelo mesmo motivo que o fizera na saúde. Não iria fugir dele agora, não iria negar sua doença, nem sua imagem, não iria lança-lo no escuro sombrio da não imagem. A fotografia e o desenho tornou-se uma experiência, um exercício de pensamento, uma maneira de dar forma ao que não tem forma, uma maneira de dizer que estava lá e, passar com meu pai seus últimos momentos. Eu me dispus a fazer estas imagens por se tratar do meu pai, mas sei que elas evocam, ainda que de maneira incompleta, o destino de todos os homens. E sendo ele, “seu” Josa o foco dessas imagens, eu poderia fazê-las com objetividade. Eu já o nomeava antes na terceira pessoa em nossas relações, e ao fotografá-lo e desenhá-lo sei que estas imagens, não são imagens sobre meu pai.


Fotografias digitais, desenhos nanquim sobre papel, dimensões diversas, 2003